Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo.

Fechar

Mindfulness & Carreira - O valor das pequenas pausas

Cuidar dos pensamentos, da forma como gerencia as emoções e nutrir o que você tem de positivo é o que fará diferença para alcançar os resultados que você busca.

Atualmente, lemos muitas informações relacionadas a importância do planejamento da rotina de vida, ainda mais nesse contexto em que mundialmente tivemos que conciliar casa e trabalho em único espaço físico. De fato, planejar o dia é fundamental para uma gestão mais eficiente do nosso tempo e uma visão ampliada dos nossos compromissos, principalmente quando envolvem outras pessoas que nos cercam – equipe, família, clientes, escola entre outros.

Contudo, será que esse planejamento está sendo feito com a devida atenção? Nele está incluso cuidar de você, do seu corpo, da sua mente? Será que você sabe o impacto positivo que traz para sua qualidade de vida e produtividade um simples momento de respiração profunda e pausa?

Trazendo essa reflexão para um cenário de Transição de Carreira, a busca por um novo trabalho já é por si só um momento difícil. Super trabalhoso, que requer foco, disciplina, revisão de prioridades, maior controle sobre gastos, autogestão, o resgate de uma identidade profissional e gerenciamento de expectativas, suas e dos outros.

Ao longo desse processo há um turbilhão de sentimentos e sensações que invadem nossa mente, interferem no nosso corpo e nos paralisa. O medo do CV não ser bom, a expectativa de se sair bem na entrevista, a ansiedade para receber um retorno do Recrutador, a cobrança das pessoas próximas “e aí, já conseguiu um trabalho?”, e a frustração de não ser aceito pela empresa.

Contudo, nesses anos de Consultoria de Carreira o que mais percebo é a dificuldade que o ser humano tem de lidar com aquilo que não está no seu controle: o retorno ao mercado e a chegada do tão sonhado: “Você está Contratado”. É isso mesmo, por mais que nos dediquemos e tenhamos um currículo competitivo é preciso aceitar que nessa caminhada a resposta positiva depende também dos outros, e essa espera... ahhh... essa espera pode ser devastadora.

Justamente por esse ser um período de tantas expectativas, muitas não atendidas, é que você precisa cuidar de si e calibrar suas emoções. É natural haver dias bons e dias ruins, o cuidado que deve-se ter é evitar o apego aos pensamentos negativos. O exercício da compaixão é essencial para o seu bem estar, pois assim você conseguirá ser resiliente e enfrentar com serenidade as dificuldades que o mundo nos apresentar.

Sim, eu sei que como Consultora de Carreira falo sempre aos clientes que estão em Transição: “planeje seu dia, suas tarefas, dedique horas da sua busca no desenvolvimento do seu networking...”.  Mas também falo: “seja gentil com você, se permita aproveitar melhor seu dia, leia um livro, tome um sorvete, passeie com seus filhos, almoce com sua família ou amigos...”. Sabe por quê? Porque se você não fizer isso nesse momento em que é ‘dono do seu tempo’, quando retomar a rotina de trabalho ficará muito mais difícil.

Engana-se quem pensa que levar uma vida acelerada, cheia de compromissos é sinal de produtividade, isso é reflexo de uma cultura de excessos e competitividade. Todos nós precisamos de pausas, de momentos de ócio criativo, de desaceleração para que possamos nos conectar à nós mesmos novamente.

Olhar para dentro, ter atenção plena diante daquilo que nos propomos a fazer. Uma refeição feita com atenção tem muito mais sabor, uma mensagem enviada com o pensamento voltado para a pessoa que irá receber tem mais eficácia. A célebre expressão “menos é mais” tem feito muito sentido nos tempos de hoje, pense nisso.

Mas que bom ter você aqui lendo essas palavras, isso já mostra que em algum momento da sua agenda atribulada de compromissos esperando serem marcados como ‘feito’, há espaço para para uma pequena pausa. Então, te convido a avaliar a forma como tem desenhado seu planejamento diário, há de fato um tempo para você dentro dele? Você inclui seus momentos de gentileza, pausas para uma respiração profunda, rotina de atividades físicas, sabe dizer não aos compromissos alheios? Manter a mente sempre ocupada nos distancia do foco, da consciência e gera cansaço.

E quando falamos em Transição de Carreira também estamos falando de aprender algo novo, ressignificar experiências, autoconhecimento, se permitir enxergar o momento presente como uma oportunidade de fazer escolhas mais conscientes, agir como protagonista da sua vida. Nesse novo desenho de carreira é importante haver tempo para você. Esse é um caminho sem volta, empresas e pessoas estão falando de auto cuidado. 

Segundo Lenise Garcia – Psicóloga, Docente e Instrutora de Mindfulness – a Pandemia iniciada em 2020 acelerou essa necessidade. Hoje muitas empresas incluíram em suas agendas o tema ‘saúde mental’ e com isso as áreas de Recursos Humanos tem demandado por Programas que cultivem o bem estar de seus colaboradores.

Nesse contexto, a prática de Mindfulness tem sido uma grande aliada, pois embora tenha-se um Protocolo Oficial para aplicação, é possível adaptá-la à necessidade do ambiente corporativo. Com práticas em pequenas doses ao longo do dia para lidar com o estresse cotidiano já é possível ver efeitos positivos nas pessoas e isso, consequentemente, permite que produtividade e qualidade de vida caminhem juntos.

Nos últimos meses fomos forçados a compreender que, mesmo com toda tecnologia disponível e necessária para seguirmos evoluindo enquanto potências produtivas, nada acontece sem a inferência do Ser Humano, seu pensamento analítico, sua comunicação interpessoal e sua capacidade de resolver problemas.

O cenário mundial da saúde provocou uma reflexão rápida e profunda sobre a necessidade de ‘tirar o pé do acelerador’, sobre o que realmente importa, saúde, família, trabalho, valores e propósitos. Estamos aprendendo que saúde mental não pode ser algo desconectado dos demais programas de gestão de pessoas dentro das Organizações.

Como um Profissional de RH pode mobilizar, engajar e inspirar as pessoas da empresa se ele não estiver emocionalmente bem? Como os Gestores podem cuidar do próprio time, serem exemplos, se eles não cuidaram de si, se eles estão sempre agindo ‘no piloto automático’?

Lenise menciona que esse sofrimento de lidar com situações de pressão, estresse e ansiedade permeia a realidade tanto do profissional que está em busca de um novo trabalho como aquele que exerce uma atividade dentro de qualquer empresa. Cada um no seu momento, vivenciando o seu presente e é necessário trazer para a consciência a natureza impermanente e transitória das coisas: tudo passa!!!

Portanto, cuidar dos seus pensamentos, da forma como você gerencia as emoções e nutrir o que você tem de positivo é o que fará diferença para alcançar os resultados que você busca. E toda mudança de comportamento requer intenção, quebra de crenças e prática. Não é algo simples, porém, imprescindível para que possamos nos adaptar às mudanças que o mundo  nos impõe, para que tenhamos mais leveza e compaixão.

E você, o que tem feito por sua saúde e seu bem estar? Já pensou em doses diárias de pequenas pausas e auto cuidado? Como Consultora de Carreira divido com vocês um grande aprendizado: só é possível cuidar do outro quando começamos cuidando de nós mesmos! Então que tal agora pausar um pouco para uma respiração profunda antes de você seguir adiante com suas outras atividades?


Prática dos 3 passos de Mindfulness (utilize, aproximadamente, 1 minuto para cada passo a seguir):

1. Adotando uma posição confortável, sentado ou deitado, deixar o corpo se estabilizar na posição. Lentamente vá levando a atenção para o seu corpo, que pode incluir as sensações físicas (contato do corpo com o chão ou cadeira; temperatura da pele, possíveis desconfortos ou pontos de tensão), como também para a percepção de pensamentos ou emoções que eventualmente estejam presentes na sua experiência naquele momento;

2. Gradualmente começar a levar a atenção de modo um pouco mais focado para as sensações e movimentos da respiração, como por exemplo os movimentos do tórax e do abdome na inspiração e expiração do ar; ou ainda a sensação do ar entrando e saindo pelas narinas durante a respiração. É importante seguir o fluxo natural da respiração, sem tentar alterá-lo, apenas observando-o. Faça isso por algumas respirações;

3. Antes de encerrar a sessão, traga novamente a atenção e a observação para as sensações em todo o corpo naquele momento, podendo incluir também a percepção do local onde você está, como os sons e a temperatura do lugar. Gradualmente termine a prática, voltando a abrir os olhos.


Aproveite o momento presente com atenção plena.

Grande abraço,

Simone Tanese Simone Tanese Consultora de Carreira Sr.